jusbrasil.com.br
31 de Março de 2020
2º Grau

Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul TRE-RS - Recurso Eleitoral : RE 805 PORTO ALEGRE - RS - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TRE-RS_RE_805_b7654.pdf
DOWNLOAD

JUSTIÇA ELEITORAL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

PROCESSO: RE 8-05.2018.6.21.0114

PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE - 114ª ZONA ELEITORAL

RECORRENTE: PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO (PSB) de PORTO ALEGRE

RECORRIDO: JUSTIÇA ELEITORAL

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

RECURSO. PRESTAÇÃO DE CONTAS. PARTIDO POLÍTICO. EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2017. DESAPROVAÇÃO. RECEBIMENTO DE RECURSOS ADVINDOS DE FONTES VEDADAS. AUTORIDADE. RECONHECIDA A INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 55-D DA LEI N. 9.096/95. INCIDÊNCIA DAS DISPOSIÇÕES DA LEI N. 13.488/17 COM RELAÇÃO A PARTE DAS CONTRIBUIÇÕES. BAIXA REPRESENTATIVIDADE DA IRREGULARIDADE FRENTE AO TOTAL MOVIMENTADO NO PERÍODO. APLICAÇÃO DOS POSTULADOS DA RAZOABILIDADE E DA PROPORCIONALIDADE. RECOLHIMENTO DA QUANTIA IMPUGNADA AO TESOURO NACIONAL. AFASTADA A SANÇÃO DE MULTA. APROVAÇÃO COM RESSALVAS. PROVIMENTO.

1. Postulada, pelo procurador da parte, durante a sustentação oral, a aplicação do art. 55-D da Lei n. 9.096/95, incluído pela Lei n. 13.831/19. Pedido não conhecido pelo Relator. Em posterior votovista, foi reconhecida, por unanimidade, a inconstitucionalidade formal e material do aludido dispositivo, uma vez que a proposta legislativa veio desacompanhada de estimativa de impacto orçamentário, além de afrontar aos princípios da prestação de contas, da moralidade administrativa e da integridade legislativa.

2. Contas desaprovadas em razão do recebimento de recursos oriundos de fonte vedada. Doação efetuada por ocupante de cargo de diretor geral junto ao Tribunal de Justiça Militar, detentor de poderes de chefia e direção e enquadrado no conceito de autoridade pública, conforme art. 12, inc. IV e § 1º, da Resolução TSE n. 23.464/15.

3. Duplo tratamento jurídico das doações de pessoas físicas exercentes de cargos de chefia e direção na Administração Pública, em decorrência de sucessão legislativa. Devido ao fato de a Lei n. 13.488/17 ter entrado em vigor no dia 06.10.2017, cumpre aplicar, em relação às contribuições anteriores a esta data, a redação original do art. 31 da Lei dos Partidos Políticos, bem como as prescrições do art. 12, inc. IV e § 1º, da Resolução TSE n. 23.464/15, as quais vedavam as contribuições ainda que provenientes de filiados a partidos políticos. Todavia, as contribuições realizadas a partir de 06.10.2017 devem observar o disposto no art. 31, inc. V, da Lei n. 9.096/95 em sua nova redação, que ressalva a licitude dos auxílios pecuniários

JUSTIÇA ELEITORAL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

quando advindos de filiados a partidos políticos.

4. O valor irregularmente recebido representa 2,1% do total da receita arrecadada no exercício financeiro, possibilitando o juízo de aprovação com ressalvas. Circunstância que não afasta a devolução ao Tesouro Nacional do valor indevidamente recebido, conforme estabelece o art. 14, § 1º, da Resolução TSE n. 23.464/15, afastandose apenas a aplicação da multa, cabível somente nos casos de desaprovação. Redução do valor a ser recolhido ao erário, em virtude de duas contribuições abrangidas pelas disposições da Lei n. 13.488/17.

5. Provimento.

A C Ó R D Ã O

Vistos, etc.

ACORDAM os juízes do Tribunal Regional Eleitoral, por unanimidade,

ouvida a Procuradoria Regional Eleitoral, reconhecer a inconstitucionalidade do art 55-D da

Lei n. 9.096/95 e, no mérito, dar provimento ao recurso, para aprovar com ressalvas as contas

do PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO (PSB) de Porto Alegre, relativas ao exercício

financeiro de 2017, afastando a penalidade de multa cominada na sentença e determinando o

recolhimento do valor de R$ 1.750,00 ao Tesouro Nacional.

Sala de Sessões do Tribunal Regional Eleitoral.

Porto Alegre, 02 de setembro de 2019.

DES. ELEITORAL MIGUEL ANTÔNIO SILVEIRA RAMOS,

Relator Substituto.

JUSTIÇA ELEITORAL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

PROCESSO: RE 8-05.2018.6.21.0114

PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE - 114ª ZONA ELEITORAL

RECORRENTE: PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO (PSB) de PORTO ALEGRE

RECORRIDO: JUSTIÇA ELEITORAL

RELATOR: DES. ELEITORAL MIGUEL ANTÔNIO SILVEIRA RAMOS

SESSÃO DE 19-08-2019

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

R E L AT Ó R I O

Trata-se de recurso interposto contra sentença que desaprovou a prestação de contas anual do exercício financeiro de 2017, apresentada pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) do Município de Porto Alegre/RS, e determinou o recolhimento ao Tesouro Nacional do valor de R$ 2.250,00 (dois mil, duzentos e cinquenta reais), acrescido de multa de 20%, em virtude do recebimento de recursos de fontes vedadas provenientes de autoridades (fls. 182-187).

Em suas razões, sustenta que a sentença desconsiderou os princípios da razoabilidade, da proporcionalidade e da transparência das contas partidárias. Alega ter sido negada a vigência do inc. II do art. 68 da Resolução TSE n. 23.463/15. Postula a aprovação das contas, ainda que com ressalvas (fls. 192-200).

A Procuradoria Regional Eleitoral manifestou-se pelo desprovimento do recurso (fls. 210-213).

É o relatório.

V O T O

O recurso é regular, tempestivo, e comporta conhecimento.

Inicialmente, consigno que a Resolução TSE n. 23.463/15 é inaplicável ao feito, pois essa norma regulamenta apenas as prestações de contas da campanha eleitoral de 2017, enquanto o presente processo trata da contabilidade anual do partido, no exercício financeiro de 2017, regida pela Resolução TSE n. 23.464/15.

No mérito, as contas foram desaprovadas em virtude do recebimento de contribuição partidária de R$ 2.250,00, procedente de ocupante do cargo de diretor-geral

JUSTIÇA ELEITORAL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

junto ao Tribunal de Justiça Militar, considerado, portanto, fonte vedada de arrecadação para partidos políticos.

De fato, assiste razão à juíza a quo ao considerar o recurso irregular, pois o art. 12, inc. IV e seu § 1º, da Resolução TSE n. 23.464/15 preveem a proibição do recebimento de valores provenientes de autoridades públicas, assim consideradas aquelas que exerçam cargos de chefia ou direção na administração pública direta ou indireta.

Entretanto, observa-se que as contribuições foram repassadas ao partido entre janeiro e novembro de 2017 por pessoa filiada à agremiação e ocupante de cargo de direção junto ao TJM/RS (fls. 27 e 152). Duas parcelas, no valor de R$ 250,00 cada, efetivadas em 1º.11.2017 e 29.11.2017, estão abrangidas pelas disposições da Lei n. 13.488/17.

A Lei n. 13.488/17 entrou em vigor no dia 06.10.2017, revogando a vedação absoluta às doações advindas de autoridades públicas ao incluir o inc. V no art. 31 da Lei n. 9.096/95, com a seguinte redação:

Art. 31. É vedado ao partido receber, direta ou indiretamente, sob qualquer forma ou pretexto, contribuição ou auxílio pecuniário ou estimável em dinheiro, inclusive através de publicidade de qualquer espécie, procedente de: (…).

V - pessoas físicas que exerçam função ou cargo público de livre nomeação e exoneração, ou cargo ou emprego público temporário, ressalvados os filiados a partido político. (Incluído pela Lei nº 13.488, de 2017)

Dessarte, em relação ao exercício financeiro em exame, há um duplo tratamento jurídico das doações de pessoas físicas exercentes de cargos de chefia e direção na administração pública, em decorrência da sucessão legislativa.

Relativamente às contribuições anteriores ao dia 06.10.2017, deve ser observada a redação original do art. 31 da Lei dos Partidos Políticos, bem como as prescrições do art. 12, inc. IV e § 1º, da Resolução TSE n. 23.464/15, que vedavam as colaborações, ainda que provenientes de filiados a partidos políticos.

Contudo, se realizadas a partir de 06.10.2017, cumpre aplicar o art. 31, inc. V, da Lei n. 9.096/95 em sua nova redação, que ressalva a licitude dos auxílios pecuniários quando advindos de filiados a partidos políticos. Com esse entendimento, os seguintes precedentes deste TRE:

COORDENADORIA DE SESSÕES

Proc. RE 8-05 – Rel. Des. Eleitoral Miguel Antônio Silveira Ramos 4

JUSTIÇA ELEITORAL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

RECURSO ELEITORAL. PRESTAÇÃO DE CONTAS. PARTIDO POLÍTICO. EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2017. DESAPROVAÇÃO. AFASTADA A PRELIMINAR DE ARGUIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE. MÉRITO. RECURSOS ADVINDOS DE FONTES VEDADAS. AUTORIDADES. IRREGULARIDADES QUE SOMAM O PERCENTUAL DE 9,86% DAS RECEITAS AUFERIDAS PELA GREI NO EXERCÍCIO FINANCEIRO EM ANÁLISE, POSSIBILITANDO O JUÍZO DE APROVAÇÃO DAS CONTAS COM RESSALVAS. REDUÇÃO DO VALOR A SER RECOLHIDO AO TESOURO NACIONAL. AFASTADAS AS PENALIDADES DE SUSPENSÃO DO REPASSE DE QUOTAS DO FUNDO PARTIDÁRIO E DE MULTA. PARCIAL PROVIMENTO.

1. Recebimento de recursos oriundos de fontes vedadas. É vedado aos partidos políticos receber doações ou contribuições de titulares de cargos demissíveis ad nutum da administração direta ou indireta, quando ostentarem a condição de autoridades.

2. Inviável reconhecer a aduzida inconstitucionalidade do art. 65, inc. III, da Resolução TSE n. 23.546/17 por mostrar-se incompatível com o art. 60, § 4º, inc. III, da Constituição Federal. Embora o art. 31, inc. V, da Lei n. 9.096/95, com a redação que lhe foi dada pela Lei n. 13.488/17, considere regular as doações realizadas por autoridades públicas com vínculo partidário, essa regra alcança, tão somente, as doações efetuadas após a data da sua publicação, qual seja, 06.10.2017, não sendo aplicável a todo o exercício financeiro de 2017. Incidência da legislação vigente à época em que efetivadas as doações por autoridades públicas.

3. Irregularidades que somam o percentual de 9,86% da totalidade das receitas arrecadadas pela agremiação no exercício financeiro em análise, possibilitando o juízo de aprovação das contas com ressalvas, na esteira da jurisprudência firmada pelo Tribunal Superior Eleitoral, igualmente adotada no âmbito deste Tribunal.

4. Redução do valor a ser recolhido ao Tesouro Nacional e afastadas as penalidades de suspensão do repasse de quotas do Fundo Partidário e de multa.

5. Provimento parcial. Aprovação com ressalvas. (TRE-RS, RE n. 1526, Rel. Desa. Marilene Bonzanini, DEJERS 17.5.2019.) (Grifei.)

RECURSO. PRESTAÇÃO DE CONTAS. PARTIDO POLÍTICO. EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2017. DESAPROVAÇÃO. RECEBIMENTO DE RECURSOS ORIUNDOS DE FONTE VEDADA. ALEGADA INCONSTITUCIONALIDADE DO ART. 31, INC. II, DA LEI N. 9.096/95. REJEITADA. IRRETROATIVIDADE DAS DISPOSIÇÕES DA LEI N. 13.488/17. DUPLO TRATAMENTO JURÍDICO DAS DOAÇÕES DE PESSOAS FÍSICAS DETENTORAS DE CARGOS DE CHEFIA E DIREÇÃO . IMPOSSIBILIDADE DE EQUIPARAÇÃO ENTRE DETENTORES DE MANDATO ELETIVO E OCUPANTES DE CARGOS DE CHEFIA OU DIREÇÃO. RETIFICADA A QUANTIA A SER RECOLHIDA AO TESOURO NACIONAL. REDUZIDOS O PERÍODO DE SUSPENSÃO DO FUNDO PARTIDÁRIO E O PERCENTUAL DA MULTA APLICADA. PARCIAL PROVIMENTO.

JUSTIÇA ELEITORAL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

1. Alegada inconstitucionalidade do art. 31, inc. II, da Lei n. 9.096/95, em sua redação original. Os dispositivos constantes em leis ordinárias possuem presunção de constitucionalidade até manifestação do Poder Judiciário em sentido contrário, seja em sede de controle difuso, seja em controle concentrado. Na hipótese, a norma, editada nas linhas do devido processo legislativo, ostenta presunção de constitucionalidade, devendo ser preservada e aplicada em todos os seus efeitos desde a sua vigência.

2. Identificado o recebimento de doações de recursos financeiros de ocupantes de funções de direção e chefia. No caso dos autos, aplicado duplo tratamento jurídico das doações de pessoas físicas exercentes de cargos de chefia e direção na administração pública, em decorrência da sucessão legislativa. Em relação às contribuições anteriores ao dia 06.10.2017, devem ser observadas a redação original do art. 31 da Lei dos Partidos Políticos e as prescrições do art. 12, inc. IV e § 1º, da Resolução TSE n. 23.464/15, que vedavam as contribuições provenientes de autoridades, independentemente de serem ou não filiados ao partido donatário. Contudo, em relação às doações realizadas a partir daquela data, cumpre aplicar a nova redação, que ressalta a licitude dos auxílios pecuniários quando advindos de filiados.

3. Esta Corte assentou entendimento pela impossibilidade de equiparação entre os detentores de mandatos políticos e os ocupantes de cargos comissionados de chefia ou direção, uma vez que somente estes últimos podem figurar como instrumento do aparelhamento financeiro dos partidos, sendo taxativamente considerados fonte proscrita de receita pela norma eleitoral.

4. Irregularidade que representa 36,5% do total de recursos arrecadados no exercício, não sendo aplicáveis os postulados da proporcionalidade e da razoabilidade.

5. Penalidades. Mantida a desaprovação das contas. Retificada a quantia a ser recolhida ao Tesouro Nacional. Reduzidos o período de suspensão das quotas do Fundo Partidário para 4 meses e a multa a ser aplicada para o índice de 7% da quantia irregular.

6. Provimento parcial. (TRE-RS, RE n. 2368, Rel. Des. Federal João Batista Pinto Silveira, DEJERS 17.5.2019.) (Grifei.)

Dessa forma, as duas contribuições, que somam R$ 500,00, devem ser

abatidas do total arrecadado de fonte vedada, R$ 2.250,00, alcançando-se o montante de R$

1.750,00.

Contudo, o valor irregularmente recebido representa 2,1% da receita de R$

82.397,72 arrecadada no exercício financeiro (fl. 151), e em hipóteses como a dos autos esta

Corte tem entendido pela aplicação dos postulados da razoabilidade e da proporcionalidade,

concluindo ser possível a aprovação das contas com ressalvas:

RECURSO. PRESTAÇÃO DE CONTAS. PARTIDO POLÍTICO. EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2017. DESAPROVAÇÃO.

JUSTIÇA ELEITORAL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

RECEBIMENTO DE RECURSOS ORIUNDOS DE FONTES VEDADAS. AUTORIDADES PÚBLICAS. IRRETROATIVIDADE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA LEI N. 13.488/17. MANTIDO O RECOLHIMENTO AO TESOURO NACIONAL. AFASTADAS A SANÇÃO DE MULTA E A PENALIDADE DE SUSPENSÃO DO FUNDO PARTIDÁRIO. PARCIAL PROVIMENTO.

1. Desaprovação das contas da agremiaçao em razão do recebimento de recursos de fonte vedada, oriundos de contribuições de ocupantes de cargos de chefia demissíveis ad nutum. Escorreita a aplicação, pelo juízo a quo, da legislação vigente à época do exercício financeiro a que se refere a prestação de contas, alinhando-se ao entendimento consolidado por esta Corte e na esteira da jurisprudência do TSE.

2. Irrelevante o argumento de o cargo ocupado por autoridade ser em governo administrado por integrante de partido adversário. Recebida a doação de servidor que se enquadre na categoria de autoridade pública, nos termos da Resolução TSE n. 23.464/2015, aplicável ao exercício em análise, incide o caráter objetivo da norma, sem espaço para eventual análise subjetiva.

2. Valores irregularmente recebidos que representam 2,83% do total de recursos arrecadados pela agremiação no exercício financeiro. Aplicados princípios da razoabilidade e da proporcionalidade. Mantido o recolhimento

o Tesouro Nacional. Afastadas a sanção de multa sobre a quantia a ser recolhida ao Tesouro Nacional e a penalidade de suspensão do repasse de quotas do Fundo Partidário.

3. Parcial provimento. (Recurso Eleitoral n 5482, ACÓRDÃO de 11.4.2019, Relatora MARILENE BONZANINI, Publicação: DEJERS - Diário de Justiça Eletrônico do TRE-RS, Data 22.4.2019.)

Tal circunstância não afasta a devolução ao Tesouro Nacional do valor

indevidamente recebido, conforme estabelece o art. 14, § 1º, da Resolução TSE n. 23.464/15,

afastando-se apenas a aplicação da multa, pois a penalidade é cabível somente nos casos de

desaprovação.

DIANTE DO EXPOSTO, VOTO pelo provimento do recurso para aprovar

as contas com ressalvas, afastando a penalidade de multa cominada na sentença e

determinando o recolhimento da quantia de R$ 1.750,00 (um mil, setecentos e cinquenta

reais) ao Tesouro Nacional, nos termos da fundamentação.

DECISÃO:

Após o voto do relator, pediu vista o Des. Federal Thompson Flores.

Demais julgadores aguardam o voto-vista. Julgamento suspenso.

JUSTIÇA ELEITORAL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

PROCESSO: RE 8-05.2018.6.21.0114

PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE - 114ª ZONA ELEITORAL

RECORRENTE: PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO (PSB) de PORTO ALEGRE

RECORRIDO: JUSTIÇA ELEITORAL

RELATOR: DES. ELEITORAL MIGUEL ANTÔNIO SILVEIRA RAMOS

SESSÃO DE 02-09-2019

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Des. Federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz (voto-vista):

V O T O - V I S TA

Na sessão de 19.8.2019, o procurador do recorrente, Dr. Luciano Manini

Neumann, postulou a aplicação do art. 55-D, incluído na Lei n. 9.096/95 pela Lei n.

13.831/19, na data de 19.6.2019, oriundo da derrubada do veto do Presidente da República,

com o seguinte teor:

Art. 55-D. Ficam anistiadas as devoluções, as cobranças ou as transferências

o Tesouro Nacional que tenham como causa as doações ou contribuições feitas em anos anteriores por servidores públicos que exerçam função ou cargo público de livre nomeação e exoneração, desde que filiados a partido político.

O relator não conheceu da matéria porque suscitada apenas na Tribuna.

Na sequência, pedi vista dos autos para melhor examinar a controvérsia.

Com efeito, na mesma sessão do dia 19.8.2019, foi apreciado o tema no RE

n. 35-92.2016.6.21.0005 (Relator Des. Eleitoral Gerson Fischmann, DEJERS de 23.8.2019),

sendo reconhecida, à unanimidade, a inconstitucionalidade do dispositivo legal em comento,

consoante ementa que transcrevo no ponto que interessa:

RECURSO. PRESTAÇÃO DE CONTAS. PARTIDO POLÍTICO. EXERCÍCIO DE 2015. DESAPROVAÇÃO. MATÉRIA PRELIMINAR ACOLHIDA. INCIDENTE DE INCONSTITUCIONALIDADE. ART. 55-D DA LEI N. 9.096/95, INCLUÍDO PELA LEI N. 13.831/19. MÉRITO. RECEBIMENTO DE RECURSOS DE ORIGEM NÃO IDENTIFICADA E DE FONTE VEDADA. PORCENTAGEM REPRESENTATIVA DAS IRREGULARIDADES DIANTE DA TOTALIDADE DOS RECURSOS ARRECADADOS NO PERÍODO. AFASTADA A APLICAÇÃO DOS POSTULADOS DA PROPORCIONALIDADE E DA RAZOABILIDADE. MANUTENÇÃO DO JUÍZO DE DESAPROVAÇÃO. REDUZIDO O PERÍODO DE SUSPENSÃO DO FUNDO PARTIDÁRIO. AFASTADA A CONDIÇÃO DE QUE A SANÇÃO SUBSISTA ATÉ QUE OS ESCLARECIMENTOS SEJAM ACEITOS PELA JUSTIÇA ELEITORAL. PROVIMENTO PARCIAL.

1. Incidente de inconstitucionalidade suscitado pelo Procurador Regional

JUSTIÇA ELEITORAL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

Eleitoral. 1.1. O art. 55-D da Lei n. 9.096/95, norma legal objeto do aludido incidente, incluído pela Lei n. 13.831/19, assinala a anistia das devoluções, cobranças ou transferências ao Tesouro Nacional que tenham como causa as doações ou contribuições efetuadas, em anos anteriores, por servidores públicos os quais exerçam função ou cargo público de livre nomeação e exoneração, desde que filiados a partido político. Ausência de notícia de que tenha havido oferecimento dos dados relativos à previsão de estimativa de impacto orçamentário e financeiro quando da tramitação da proposta legislativa prevendo a renúncia da receita. Omissão que afronta a exigência constitucional incluída pela EC n. 95/16 no art. 113 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. A legislação infraconstitucional igualmente exige seja comprovado o impacto orçamentário e financeiro à concessão de benefício que gere a diminuição de receita da União, nos termos do art. 14 da Lei de Responsabilidade Fiscal e arts. 114 e 116 da Lei n. 13.707/18. 1.2. A anistia das verbas consideradas como oriundas de fontes vedadas -benefício instituído em causa própria e sem qualquer finalidade pública subjacente - atenta ao princípio da moralidade administrativa e desvirtua a natureza jurídica do instituto. 1.3. Vício de inconstitucionalidade formal e material. Acolhimento da preliminar. Afastada, no caso concreto, a aplicação do art. 55-D da Lei n. 9.096/95, incluído pela Lei n. 13.831/19. (Grifo nosso)

Em síntese, como muito bem apontado pelo relator, no RE n. 3592, o art.

55-D, inserido na Lei dos Partidos Políticos pela Lei n. 13.831/19, padece de vício de

inconstitucionalidade formal e material, na medida em que veio desacompanhado de

estimativa de impacto orçamentário e afronta os princípios da prestação de contas, da

moralidade administrativa e da integridade legislativa.

Representa verdadeiro backlash do legislador em relação ao avanço da

compreensão doutrinária e jurisprudencial acerca do conceito de autoridade para fins de

doações a agremiações partidárias.

Com essas singelas razões, conhecendo da arguição lançada da Tribuna,

voto pelo reconhecimento da inconstitucionalidade do art. 55-D da Lei n. 9.096/95, incluído

pela Lei n. 13.831/19, afastando sua aplicação no caso concreto.

Quanto ao mérito, acompanho integralmente o voto do eminente relator.

Os demais julgadores pronunciaram-se de acordo com o

reconhecimento da inconstitucionalidade do art. 55-D da Lei n. 9.096/95 e, no mérito,

acompanharam o voto do relator.

JUSTIÇA ELEITORAL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

EXTRATO DA ATA

RECURSO ELEITORAL - PRESTAÇÃO DE CONTAS - DE PARTIDO POLÍTICO - DE EXERCÍCIO FINANCEIRO - CONTAS - DESAPROVAÇÃO / REJEIÇÃO DAS CONTAS

Número único: CNJ 8-05.2018.6.21.0114

Recorrente (s): PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO - PSB DE PORTO ALEGRE (Adv (s) Luciano Manini Neumann e Vanir de Mattos)

Recorrido (s): JUSTIÇA ELEITORAL

DECISÃO

Por unanimidade, reconheceram a inconstitucionalidade do art 55-D da Lei n. 9.096/95 e, no mérito, deram provimento ao recurso, para aprovar as contas com ressalvas e determinar o recolhimento do valor de R$ 1.750,00 ao Tesouro Nacional.

Desa. Marilene Bonzanini Des. Eleitoral Miguel Antônio

Presidente da Sessão Silveira Ramos

Relator

Composição: Desembargadores Marilene Bonzanini, presidente, André Luiz Planella Villarinho, Gerson Fischmann, Roberto Carvalho Fraga, Miguel Antônio Silveira Ramos, Gustavo Alberto Gastal Diefenthäler, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz e o Procurador Regional Eleitoral, Luiz Carlos Weber.